A chanceler alemã, Angela Merkel, pediu neste domingo aos líderes da UE que impeçam os requerentes de asilo de se movimentarem livremente ao redor do bloco durante as negociações de emergência sobre migração, uma questão que está ameaçando sua coalizão governista.

 

Os chefes de governo reunidos em Bruxelas estão tentando conciliar suas profundas divergências em relação a migração, que vem minando a União Européia há anos e agora está pressionando a coalizão de Merkel.

 

"Uma grande parte das discussões de hoje será sobre importância de proteger as fronteiras externas e sobre como reduzir a migração ilegal para a Europa", disse Merkel ao chegar às negociações, reunindo 16 dos 28 líderes nacionais da UE. “Haverá também uma discussão sobre a migração secundária, como tratar uns aos outros de forma justa (na zona de livre circulação) de Schengen, como podemos encontrar um equilíbrio razoável”, acrescentou ela.

 

 

Embora as chegadas no Mediterrâneo sejam apenas uma fração do que eram em 2015, quando mais de um milhão de pessoas chegaram à Europa, uma recente pesquisa de opinião mostrou que a migração era a principal preocupação para os 500 milhões de cidadãos da UE.

 

A Itália tem lutado muito para lidar com as chegadas e seu novo governo populista disse que rejeitaria quaisquer ideias que levariam a um número ainda maior de pessoas.

 

“Queremos enfrentar o problema de maneira estrutural. Nossa opinião pública está pedindo por isso ", disse o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, ao chegar para as negociações, acrescentando que ele proporia suas novas idéias sobre a migração. Sob forte pressão dos eleitores internos, os líderes da UE vêm enfrentando duras batalhas sobre como dividir os requerentes de asilo no bloco.

 

Fonte: //economictimes.indiatimes.com/articleshow/64724926.cms?utm_source=contentofinterest&utm_medium=text&utm_campaign=cppst